Kenia Libanio 1x1.png

KÊNIA LIBANIO

  • Facebook
  • Instagram

Direção Geral

Kênia Libanio é graduada em piano, gestora, educadora musical e produtora cultural. Fundou e dirige a Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco desde 2001. Reconhecida pelo incansável trabalho à frente da Casa de Música.
Implantou os projetos: Dando Cordas e sopros, Jovem Orquestra de Ouro Branco, Festival de Violoncelos, Semana da Música, Série de Concertos, Inclusão através da música, Escola vai ao concerto.

Matias de Oliveira Pinto.JPG

MATIAS DE OLIVEIRA PINTO

  • Facebook
  • Instagram

Direção Artística e Violoncelo

Matias é natural de São Paulo onde iniciou seus estudos musicais. Em 1980, mudou-se para Berlim como bolsista da Fundação Herbert von Karajan. Na Europa estudou na Escola Superior de Música de Berlim (HdK) e na Academia Franz Liszt de Budapeste.

Pedagogo muito solicitado, Matias é professor de violoncelo na Universidade das Artes de Berlim, na Faculdade de Música de Münster e frequentemente ministra masterclasses em diversos países. O músico realiza extensas turnês pelos EUA, vários países da América do Sul, toda a Europa, Ásia, Nova Zelândia e Austrália, apresentando-se também em importantes festivais.

Diretor Artístico do Festival Celloherbst, na Alemanha, tem se apresentado também como regente em vários países europeus. Em Berlim se apresenta nas salas de concertos mais importantes da cidade como, por exemplo, Philharmonie, Konzerthaus, Appollo-Saal Der Staatsoper, entre outras. Gravou Cd’s pelos selos europeus Academy, Kreuzberg Records, Bella Musica, Hungaroton Classics e Cello Colors.

Marcio Carneiro.jpg

MÁrcio Carneiro

Violoncelo

Márcio Carneiro nascido no Rio de Janeiro, iniciou seus estudos musicais com a idade de seis anos. Depois de um primeiro prêmio que lhe foi atribuido pela Associação das Escolas de Música do Brasil, Márcio Carneiro veio para a Europa prosseguir estudos de aperfeiçoamento com André Navarra.

Em 1977 obteve, com a mais alta distinção o diploma de solista da Nordwestdeutsche Musikakademie (Musikhochschule Detmold) onde dois anos mais tarde foi nomeado por concurso professor catedrático. Atualmente concentra sua atividade pedagógica no  conservatório superior de Lausanne-Sion na Suíca.

Como solista, Márcio Carneiro apresenta-se com numerosas orquestras e em recitais por toda a Europa, Japão, Coréia e nas Américas. A crítica refere-se com particular relêvo à „beleza da sonoridade, perfeição técnica e à autenticidade do seu estilo".

Recebeu o ,Diploma de Honra' da Academia Chiggiana de Siena, e foi premiado no Concurso Tschaikowsky de Moscou.

Márcio Carneiro é artista participante em Festivais como Florença, Arezzo, Sion, Flaine, Óbidos, Estoril e Bariloche além de "Master Classes" em Santiago (Chile), Austin (Texas) , Seoul (Coréia), Dublin (Irlanda), Courchevel (França), e San Francisco (Califórnia). Em Portugal é convidado pela "Metropolitana" e pelo conservatorio de Carnide (Lisboa), como também em Aveiro, Porto, Óbidos e Sines.

Fábio Presgrave.jpg

Fábio Presgrave

  • Facebook
  • Instagram

Violoncelo

O violoncelista carioca Fabio Presgrave recebeu seus títulos de Bacharel e Mestre em Performance pela renomada Juilliard School of Music em Nova Iorque, onde estudou com Harvey Shapiro e Joel Krosnick.

Foi coordenador geral da GLOMUS UFRN, encontro que trouxe mais de trinta nacionalidades a Natal, alcançando um público superior a 10.000 pessoas.  É Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) com o cargo de Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRN e Professor Colaborador do PPGMUS da USP. Fabio Presgrave é doutor pela UNICAMP e recentemente, com bolsa da CAPES,  realizou em colaboração com o Prof. Matias de Oliveira Pinto sua pesquisa Pós-Doutoral na Westfaelisch Wilhems-Univesitaet, onde atuou como professor convidado em 2018.

Kayami Satomi.JPG

Kayami satomi

  • Facebook
  • Instagram

Violoncelo

Nascido em uma família de músicos, Kayami iniciou seus estudos musicais aos quatro anos de idade com a sua mãe, Alice Lumi Satomi. Aos sete ingressou como aluno de extensão na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Cursou Bacharelado em música na mesma instituição, e fez mestrado na Escola Superior de Musica de Munster, na Alemanha, onde se formou com nota máxima. No período de estudos na Alemanha foi bolsista da Fundação Yehudi Menuhin. Teve como professores regulares de violoncelo Nelson Campos, Felipe Aquino e Matias de Oliveira Pinto, e em festivais e master classes com Antonio Meneses, Zygmunt Kubala, Alceu Reis, Colin Carr e Matt Haimovitz. Foi membro fundador do Grupo Quarta Dimensão, um trabalho de pesquisa sonora com forte inclinação para musica brasileira, que registrou sua composição “Baião Mimoso” e sete arranjos seus no CD “Músicos e Poetas”. Tocou no "International Festival of the Young Musicians - Prishtina/Kosova", em Kosovo e em Breslau (Wrocław), Polônia. Participou do Ensemble Horsinn em Munster, grupo de musica contemporânea.

Kayami já se apresentou em salas da America Latina, Europa e Estados Unidos, e já atuou sob a batuta de maestros como Roberto Minczuk, Kurt Masur e Cristoph Eschenbach.

Atualmente e professor efetivo da Universidade Federal de Uberlandia, onde ensina violoncelo e musica de câmera, e é diretor artístico do UDI Cello Ensemble.

Eduardo Swerts 4.png

Eduardo Swerts

  • Facebook
  • Instagram

Violoncelo

Natural de Belo Horizonte, Eduardo graduou-se pela UEMG e concluiu o Mestrado, o Artist Diploma e o curso de Música de Câmara na Musikhochschule Münster e na Robert Schumman-Hochschule Düsseldorf, ambas na Alemanha. Atualmente músico da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e professor de violoncelo da UEMG.

Hugo.Pilger_Foto_by_Leo.Aversa.jpg

Hugo pilger

  • Facebook
  • Instagram

Violoncelo

Doutor em Música, Hugo Pilger é professor de violoncelo da UNIRIO. Compositores como Ernst Mahle, Ricardo Tacuchian, Ernani Aguiar, Maurício Carrilho, Wagner Tiso, Marcos Lucas, Leandro Braga, Marcelo Carneiro, dentre outros, dedicaram-lhe importantes obras. Em sua discografia destacam-se “Hugo Pilger interpreta Ernani Aguiar”, “Ernst Mahle, a integral para violoncelo e piano”, “Presença de Villa-Lobos na Música Brasileira para violoncelo e piano”, vol. I e vol. II e “Claudio Santoro: a obra integral para violoncelo e piano” com os quais tem obtido excelentes críticas e premiações. É autor do livro "Heitor Villa-Lobos, o violoncelo e seu idiomatismo". Recebeu o "Prêmio Profissionais da Música 2018" na categoria "Instrumentista Erudito” e indicações ao Grammy Latino de 2012 e 2021. Participou de dezenas de programas de televisão em séries dedicadas aos quartetos de cordas e obras para violoncelo e piano de Heitor Villa-Lobos e seus pares.

image1_edited.jpg

Camilla Ribeiro

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram

Violoncelo

Camilla começou a dedicar-se ao violoncelo aos nove anos de idade em sua cidade natal, Belém, Pará, no Conservatório Carlos Gomes, sob a orientação do professor Áureo de Freitas. Em 2005, prosseguiu seus estudos no Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos em Tatuí, São Paulo, orientada por Clodoaldo Leite e Jefferson Perez. Nesse mesmo ano, obteve o primeiro lugar no Concurso Nacional de Cordas Paulo Bosísio. Ingressou na Academia de Música da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) em 2009, sob orientação de Johannes Gramsch, formando-se em julho de 2011.

 Camila frequentou o Festival Internacional de Campos do Jordão, o Festival de Música de Santa Catarina, o Rio International Cello Encounter, entre outros. Participou também de masterclasses com renomados violoncelistas, como Johannes Moser, Xavier Phillips, Antonio Meneses, Bernhard Loercher e Mark Kosower.

 Antes de se juntar à Filarmônica, Camilla integrou as orquestras Jovem do Estado de São Paulo, Sinfônica de Santo André e Experimental de Repertório, tendo ainda se apresentado com a Osesp como musicista convidada.

Atualmente, além de integrante do naipe de violoncelos da Filarmônica MG, também faz parte do Quarteto Guignard.

Abel Moraes.jpg

Abel Moraes

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram

Violoncelo

Abel Moraes é violoncelista, mestre em música pela Thames Valley University de Londres e doutor em Educação Musical pela Escola de Música da UFMG. Como músico profissional, atuou por mais de vinte anos como instrumentista de orquestra e camerista, tendo se apresentado pelo Brasil e no exterior (EUA e UK). Desde 1997, é professor universitário, ingressando na Universidade do Estado de MG (UEMG) e posteriormente (2006) na Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), onde é professor de violoncelo. Possui publicações nas áreas da educação musical, ensino instrumental em grupo, didática e psicologia da performance musical. Participa regularmente como palestrante e professor convidado em festivais, escolas de música e universidades de vários Estados brasileiros. Desde 2008, ministra regularmente as Oficinas de Fluxo na Performance Musical, possibilitando a compreensão e o alcance deste estado de consciência para educadores, regentes, instrumentistas e cantores.

Risa Adachi.jpg

Risa Adachi

Piano

Risa Adachi  nasceu em Hyogo, Japão, onde em 2005 tirou o seu diploma de Bacharelado em Musica. Desde novembro 2012 é professora contratada na disciplina de acompanhamento de piano na Robert-Schumann Hochschule de Düsseldorf. Alem disso foi convidada para atuar como pianista correpetidora em Master Classes com musicos como Prof. Matias de Oliveira Pinto, Prof. Helge Slaatto e Prof. Martin Löhr.

MARCIO MALLARD.jpg

Marcio malard

  • Facebook - Black Circle

Violoncelo

Talvez seja o violoncelista que mais tempo atuou como líder na Orquestra Sinfônica Brasileira, foram 38 anos; tempo suficiente para conviver com grandes regentes e artistas legendários: Charles Dutoit, Eduardo Matta, Kurt Sanderling, Kurt Mazur, Antonio Janigro, Pierre Fournier, Leonard Rose, Janos Starker Paul Tortelier, Rostropovich, C. Arrau, Arnaldo Estrella, Mariuccia Iacovinno, Iberê Gomes Grosso; este último seu grande mestre que – além das inesquecíveis lições musicais – foi quem lhe indicou para substituí-lo no Quarteto da Guanabara, na ocasião do lamentável acidente que culminou com a morte do grande músico. Desde então são 25 anos de Quarteto da Guanabara. Marcio Malard desenvolve também intensa carreira como camerista e solista de diversas orquestras brasileiras, além de diversas atuações junto a grandes nomes da música brasileira, como Maria Bethânia e Wagner Tiso, entre muitos outros. Tocou com Tom Jobim na banda nova e com ele viajou por Los Angeles, Portugal, Espanha. Como professor lecionou nos festivais de Curitiba, Ouro Preto, Brasília, Teresópolis, entre outros. Malard atuou também como violoncelista convidado da Orquestra Filarmônica Mundial na sua turnê no Japão sob a regência do Maestro Sinopoli. Foi fundador do Rio Cello Ensemble e fundador da Orquestra de Câmera do Brasil com o Maestro e compositor José Siqueira.

MARIA EDUARDA 1_edited.jpg

Maria Eduarda
Canabarro

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram

Violoncelo

Maria Eduarda Canabarro é Doutoranda em Música - Práticas Interpretativas na UNICAMP e ministra masterclasses de Violoncelo. De 2011 a 2019 integrou o naipe de violoncelos da Orquestra Sinfonica Municipal de São Paulo, participando de grandes produções de ópera e da execução de importantes obras primas do repertório sinfônico.

 

Obteve o Bachelor(2008) e Master in Music (2010)  na classe do professor Antonio Meneses pela Hochschule der Künste Bern, Suíça. Na mesma escola, obteve também o Certificate of Avanced Studies (2011), sob orientação de Conradin Brotbek. Em 2009 foi bolsista da Accademia Chigiana em Siena (Itália) e em 2003 especializou-se na Academia Pancho Vladigerov, Sofia (Bulgaria), na classe do professor Anatoli Krastev. Em São Paulo, frequentou a classe de Zygmunt Kubala na UNESP, granduando-se Bacharel em Violoncelo por esta Instituição em 2007. Maria Eduarda é natural de Porto Alegre, e dentre os professores com quem estudou no Brasil destaca-se Alceu Reis.

Hoje toca um violoncelo George Craske de 1850 cedido gentilmente por Ueli Birnstil (Zurique).

Timóteo Esteves_edited.jpg

Timóteo Esteves

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram

Violoncelo e Composição

Timóteo Esteves natural de Recife-PE, compositor, violoncelista e pedagogo formado pela Universidade Federal do Amazonas em 2007. Iniciou seu estudos em música aos 2 anos de idade (piano) com sua mãe, cantora, arte educadora e maestrina Glaucia Rosa Esteves que sempre percebeu muita criatividade no filho. Em Manaus o jovem compositor estudou violoncelo aos 14 anos com a mestra Emilia Valova no Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro.
Entre suas realizações esteve entre os compositores selecionados para o Panorama dos Compositores Amazonenses realizado no Teatro Amazonas, com a Abertura "Indígena" interpretada pela Orquestra de Câmara do Amazonas sob regência do maestro Marcelo de Jesus (2015). Entre suas estreias estão: a fantasia para dueto de violino e violoncelo "Tango na Selva" no festival "Encontro na Selva" no palácio Rio Negro (2019), o dueto de viola e violoncelo em ocasião do evento "Academia de Portas Abertas" na Academia de Letras do Amazonas (2019), a trilha para o espetáculo de balé "Paixões Segundo Camille" da coreógrafa Sumaia Farias interpretado pela Orquestra de Câmara do Amazonas no Teatro Amazonas (2009) e a música "Solo Amazônico" no Cellos in Concert na ocasião da ação beneficente realizada pela Tearte Produções Musicais no Palácio da Justiça (2019). Em 2021 concorreu com a peça "À Brasiliana", escrita em surpreendentes 5 dias, no I concurso de composição da Academia Claude Brendel e foi classificado em 2° lugar.
Para o 8° Festival de Violoncelos de Ouro Branco o compositor escreveu as músicas "Vindouro" em 3 movimentos para Orquestra de violoncelos e percussão: I Clamore, II Tempo — Espaço e III Rumores. O Trio n° 1 "Efêmera" para dois violoncelos e piano e a "A Valsa Que o Kubala Não Tocou" para violoncelo solo - uma homenagem ao mestre Kubala interpretada pelo solista Franklin Martins.
Desde 2004 atua em Manaus como compositor e em 2009 como violoncelista da Orquestra Amazonas Filarmônica e professor na classe de violoncelos do Liceu de Artes.