Circuito Cultural 2016

Publicado
23 de Jun
2016

Orquestra de Câmara da Casa de Música realiza tripla jornada este final de semana: grupo se apresenta em Belo Horizonte, Ouro Preto e Ouro Branco

Público pode apreciar concertos no MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal (BH),  na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (Ouro Preto) e no Hotel Verdes Mares (Ouro Branco)

A Orquestra de Câmara de Ouro Branco, grupo pertencente à Casa de Música, dá continuidade à série de concertos que realiza por Minas Gerais no Circuito Cultural 2016. No sábado, 2 de julho, a orquestra se apresenta às 11h no auditório do Hotel Verdes Mares, em Ouro Branco; e no domingo, 3 de julho, domingo, às 11h, no MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal, em Belo Horizonte, e às 17h na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, de Ouro Preto.

O público terá a chance de conhecer melhor o trabalho do novo regente da orquestra, o jovem maestro Marcos Silva Santos. Nascido em Belo Horizonte, Marcos estudou Regência na Universidade Federal de Minas Gerais.  Em 2010, ganhou a bolsa de estudos “Graduate Assistantship” para o mestrado na Ithaca College School of Music, em Nova Iorque (EUA), sob a orientação do professor Jeffery Meyer. Marcos tem participado de inúmeros festivais de música no Brasil, Estados Unidos e Europa e regido importantes grupos, além de se dedicar também aos estudos de composição, percussão, contrabaixo e violão clássico.

O repertório escolhido pela Orquestra de Câmara de Ouro Branco para os concertos contempla quatro compositores. Dois deles, brasileiros: Guerra Peixe (1914-1993) e Alberto Nepomuceno (1864 – 1920). 

De Guerra Peixe, a orquestra toca Mourão, composta enquanto ele integrava o movimento Armorial de Pernambuco. Fundada por Ariano Suassuna, a iniciativa buscava construir uma música erudita tipicamente nordestina. Já de Alberto Nepomuceno, o grupo executa Adágio para Cordas e Serenata para Cordas. Nepomuceno foi um dos primeiros compositores brasileiros a ir para a Europa, onde estudou com professores importantes e conviveu com Claude Debussy, Edvard Grieg, entre outros.  “As pessoas marcam muito o caráter nacionalista da obra de Nepomuceno, mas ele é também um compositor cosmopolita. Além disso, é muito importante para o canto brasileiro, já que escreveu óperas e canções com texto em português. Sem falar que compõe melodicamente muito bem”, explica o regente Marcos Silva Santos.

As outras duas obras elegidas foram Sonata a Quattro No. 3 in C major, do italiano Gioachino Rossini (1792 – 1868) e Simple Symphony, Op. 4, do britânico Benjamin Britten (1913 – 1976).  De acordo com Marcos, Rossini compôs a peça aos 12 anos de idade. “A obra instrumental de Rossini é pequena se comparada a sua produção de óperas – como O Barbeiro de Sevilha -  e de música sacra. No entanto, ele tem peças como a que vamos tocar que mostram todo o seu brilhantismo.  Nos escritos que deixou, ele já mais velho fala dessa obra com certo desprezo. Porém, nunca jogou a partitura fora e constantemente a revisava”, relata o regente.

A peça de Britten também foi composta quando ele era jovem. “Britten compôs temas durante a adolescência e depois os reuniu nessa obra. Usou movimentos da dança para estruturá-la. Simple Symphony é de 1934, período entre-guerras em que a Europa estava bem falida. Ou seja: escrever para orquestra de cordas era mais fácil. Portanto, temos aqui uma escrita sinfônica para um grupo menor”, explica Silva Santos.

As entradas para os concertos são gratuitas.

A Casa de Música conta com patrocínio da Gerdau e Milplan através das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura.

Orquestra de Câmara de Ouro Branco

Criada em 2001, a Orquestra de Câmara de Ouro Branco é formada por cerca de 20 alunos das oficinas de instrumentos da Casa de Música de Ouro Branco. Desde então, vem realizando diversos concertos em Ouro Branco e nas cidades da Estrada Real, dentro do Projeto Circuito Cultural, com o patrocínio da Gerdau, por meio das Leis Federal e Estadual de Incentivo à Cultura.

Um dos objetivos da Orquestra jovem é valorizar e incentivar a composição contemporânea de música erudita. Em 2005, a Orquestra estreou as primeiras obras comissionadas, escritas pelos compositores Calimério Soares, Carlos Alberto Pinto Fonseca, Ernani Aguiar, Ronaldo Cadeu e Oiliam Lanna. Em 2007, outras três obras foram estreadas. As obras foram compostas por Rufo Herrera, Avelar Jr. e Nelson Salomé.

Casa de Música de Ouro Branco

A Casa de Música é uma entidade sem fins lucrativos que desenvolve ações na área de ensino e divulgação da música erudita. Criada em 2001 por um grupo de professores e pais de alunos, a entidade tem como principais objetivos promover a difusão e a divulgação do acesso à música, criar alternativas de inserção e incentivar o intercâmbio cultural e a carreira de jovens músicos.

Mais informações: www.casademusica.org

Sobre a Gerdau

A Companhia é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que estão ampliando o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. Com mais de 45 mil colaboradores, a Gerdau possui plantas industriais nas Américas, na Europa e na Ásia.

A Gerdau segue os princípios do desenvolvimento sustentável e acredita que o crescimento de uma empresa está diretamente ligado ao relacionamento ético e socialmente responsável com todos os públicos com os quais se relaciona. Com mais de 114 anos de história e presente em 14 países, por meio de operações que atuam nas várias etapas da indústria do aço, a Empresa tem trabalhado em iniciativas voltadas à educação, mobilização voluntária e qualidade em gestão. Em Minas Gerais, que possui riquezas históricas e culturais, a Gerdau também apoia projetos voltados à preservação do patrimônio.

MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal

Com 18 salas e 44 atrações, o MM Gerdau abriga um importante acervo sobre mineração e metalurgia. Usa recursos tecnológicos para destacar, de forma lúdica e interativa, a importância dos metais e minerais no cotidiano das pessoas. Além disso, marca a relação entre a história e as expressões culturais de Minas Gerais com a riqueza de seus recursos naturais. O Museu foi aberto ao público em 22 de junho de 2010 e desde 1º de dezembro de 2013 está sob a gestão da Gerdau, líder no segmento de aços longos das Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais no mundo. O MM Gerdau integra o Circuito Cultural Praça da Liberdade e ocupa o antigo edifício da Secretaria de Estado da Educação, inaugurado em 1897 e tombado pelo Iepha/MG. O projeto de ampliação e adequação do prédio é do arquiteto Paulo Mendes da Rocha. A museografia é assinada por Marcello Dantas. O MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal tem o certificado de excelência do TripAdvisor e foi a primeira instituição museológica do Brasil a receber a certificação do Instituto Herity em gestão da qualidade do patrimônio cultural. 

Endereço: Praça da Liberdade S/N, Prédio Rosa - Funcionários

Telefone: (31) 3516-7200

Funcionamento: Terça a domingo, das 12h às 18h (quinta, das 12h às 22h)

Entrada franca

www.mmgerdau.org.br 

MILPLAN Engenharia

Com quase 34 anos de existência, a MILPLAN, uma empresa mineira, esteve sempre voltada à execução de obras de construção e montagem eletromecânica de unidades e complexos industriais, junto as maiores e mais importantes indústrias de base e de transformação do Brasil. São mantidos até 15 canteiros de obras nas diversas regiões do Brasil, onde são gerados 4 mil empregos diretos. A MILPLAN busca estabelecer uma relação de respeito, harmonia e responsabilidade com as comunidades onde está inserida. Inclui-se neste princípio, a preferência pela contratação de mão de obra, compra de insumos e recursos locais. A empresa apoia e participa, individualmente ou em parceria com os clientes, de projetos e programas sociais, culturais e esportivos junto às comunidades onde está atuando. Os colaboradores são incentivados a fazer parte do voluntariado de cada ação como estímulo à consciência cidadã. Este conceito tem como objetivo deixar legados à sociedade onde esteve inserida.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de Ouro Preto

A igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de Ouro Preto é a representante mais fiel da arquitetura religiosa genuinamente barroca em Minas. Quem caminha até o largo onde fica a igreja percebe de longe a imponência da construção: o Rosário tem movimento. A forma arredondada, difundida na Europa por Francesco Borromini, e o telhado são bem diferentes da maioria dos templos mineiros. A igreja foi fundada pela irmandade de mesmo nome, que conciliava a convivência entre grupos africanos de todas as origens. As irmandades do Rosário dos Pretos foram as primeiras associações leigas a surgir nas Minas, muito frequentadas em face do grande contingente de escravos.

SERVIÇO

Concertos da Orquestra de Câmara de Ouro Branco

Regência: Marcos Silva Santos

2 de julho – sábado

Horário: 11h

Local: Hotel Verdes Mares (rua Santo Antônio, 115, Centro, Ouro Branco)

3 de julho - domingo

Horário: 11h

Local: MM GERDAU-Museu das Minas e do Metal de Belo Horizonte

(Praça da Liberdade, s/n, Belo Horizonte)

Horário: 17h

Local: Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

(Largo do Rosário, s/n, Ouro Preto)

PROGRAMA

Alberto Nepomuceno

Adágio para Cordas

Serenata para Cordas

G. Rossini

Sonata a Quattro No. 3 in C major

                         I. Allegro

                         II. Andante

                         III. Moderato

Benjamin Britten

Simple Symphony, Op. 4

                                 I - Boisterous Bourrée- Allegro molto

                                 II - Playful Pizzicato – Presto possibile

                                 III - Sentimental Sarabande – poco lento e pesante

                                 IV -  Frolicsome Finale – Prestissimo con fuoco

Guerra Peixe

Mourão